the invisibility of huge things

(2018)

 

Este projeto foi desenvolvido durante o Programa de Artista em Residência no Nida Art Colony, Lituânia. Foi parcialmente financiado pelo Ministério da Cultura da República da Lituânia e apoio da Academia de Artes de Vilnius.

/

 

 

       PedroHurpia             ///// Projetos               //// Videos              /// Bio               // Pesquisa               / Info

 

EN | PT

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Detalhe da instalação

óculos de proteção e tinta

Dimensões variadas

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Vista da instalação

Diapasões, caixas de som, madeira e papel dobrado

Dimensões variadas

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Stills de video | capítulo V - Final

HD | 16:9 | 25'08" | estéreo | cor

 

 

O projeto ‘The Invisibility of Huge Things’ foi desenvolvido durante o Programa de Artista em Residência no Nida Art Colony, Lituânia. Foi parcialmente financiado pelo Ministério da Cultura da República da Lituânia e apoio da Academia de Artes de Vilnius.

 

O processo de criação possui duas linhas principais no desenvolvimento de objetos e documentação escrita/imagética. Essas narrativas são divididas em ficção e não-ficção, nas quais existem pontos concomitantes de interlaçamentos e visibilidade no processo de execução e apresentação. A construção de aparatos opticos e re-criação de escritos e registros fotográficos são ações intercaladas que colocam em risco suas posições como documentos que comprovam suas legitimidades dentro de uma realidade construída.

 

 

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Trecho do vídeo

HD | 16:9 | 2'04" | estéreo | cor

 

Waves catcher | 2018

 

Madeira, papel dobrado e fone de ouvido

Dimensões variadas

 

A pesquisa relata a tragetória de um inventor, identificado apenas pelas iniciais T. H., que criou um dispositivo capaz de identificar grandes áreas geográficas suscetíveis a grandes oscilações e modificações repentinas na sua formação geológica original. Partes da biografia do inventor, assim como o funcionamento e manipulação desse aparato tecnológico ainda são desconhecidos pela comunidade científica (causando incrediblidade da maioria dos membros de sua área de atuação), seja pela ausência completa ou parcial de documentos que relatem passagens de vida ou até mesmo de anotações que demonstrem a construção e eficácia do dispositivo. Reduzido a poucos registros fotográficas (de autoria desconhecida) e documentos incompletos ou ilegíveis, o aparato não é reconstruído com o intúito de atestar a eficácia ou funcionalidade do equipamento em questão, mas de resgatar e compreender as inquietações de um inventor esquecido na história recente e o desenvolvimento de um dispositivo tecnológico que poderia alterar significamente o rumo da sociedade como a conhecemos.

 

 

 

Ao analisar mais de perto tal documentação, é possível notar certos desvios no pensamento dele que vão além de uma objetividade científica que visa resultados conclusivos. A imprevisibilidade nas intenções de T.H. caminha paralelamente às incertezas dos deslizamentos de massa em paisagens aparentemente instáveis.

 

 

 

Kolekcionierius | 2018

 

Still de video

Capítulo 6 | The Invisibility of Huge Things

 

 

 

Sample I | 2018

 

Detalhe do objeto | Madeira, espelho e líquens

Dimensões variáveis

 

 

Sample II | 2018

 

Detalhe do objeto | Fotografia, vidro e líquens

Dimensões variáveis

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Vista parcial da instalação

Open-studio NIDA ART COLONY

Dimensões variáveis

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Detalhe da instalação

Galho e açucar

Dimensões variáveis

 

 

Behaviour of waves | 2018

 

Pigmento mineral s/ papel algodão

290 x 435 mm

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Vista parcial da instalação

Open-studio NIDA ART COLONY

Dimensões variáveis

 

 

The Invisibility of Huge Things | 2018

 

Vista parcial da instalação

Open-studio NIDA ART COLONY

Dimensões variáveis

 

 

Gravação de campo | Lago de Curlândia (janeiro 2018)