Desvios

(2014)

 

Este projeto foi realizado durante a Residência LabMIS Fotografia com financiamento do Governo do Estado de São Paulo (Brazil)

/

 

 

       PedroHurpia             ///// Projetos               //// Videos              /// Bio               // Pesquisa               / Info

 

EN | PT

 

Testimonials | 2014

 

Detalhe da instalação Desvios no LabMIS Fotografia

Pigmento sobre papel Awagami KOZO 70g/m2

15 x 29 cm

 

 

 

Passeio #4 | 2014

 

Detalhe da instalação Desvios no LabMIS Fotografia

Pigmento sobre papel Awagami KOZO 70g/m2

15 x 20 cm

 

 

 

Desvios | 2014

 

Detalhe das provas de impressão

Pigmento s/ papel Awagami

 KOZO 70g/m2

 

 

 

A instalação intitulada Desvios foi dessenvolvida durante a Residência Artística no LabMIS Fotografia, do Museu da Imagem e do Som de São Paulo (2013-2014). O projeto inicial tinha como premissa a investigação de uma Paisagem em Distensão, termo este que busquei desenvolver sem uma proposta de conclusão pontual. Tendo em vista a amplitude e territórios desconhecidos que abrangem a noção de paisagem.

 

O verbo 'distender', aqui, não possui somente o sentido de ampliação/extensão, mas contém em si os seus opostos: contração/redução. Nesta perspectiva, a ideia de paisagem em distensão abrange as singularidades dos movimentos possíveis: ampliar/estender/estirar – reduzir/contrair/afrouxar. O caráter de movimento atrela-se tanto ao gênero paisagem – com as ampliações e reduções de seus valores culturais já estabelecidos – quanto a forma híbrida entre fotografia e pintura – com suas contrações e extensões.

 

Buscando um ponto intermediário entre a trama fotográfica e o espaço pictórico de representação, procurei entrelaçar formas e contextos poéticos que possam afetar e ampliar a relação paisagem – meio – percepção. A atividade pictórica se confunde as paisagens produzidas pelo dispositivo fotográfico, que por momentos é reproduzida mecanicamente e, em outros casos, executadas manualmente para serem apresentadas como fotografias. Mais do que a comparação mimética e realista que podem entrelaçar os meios, é encontrar o hibridismo das formas e a diluição de suas especificidades, que potencializem o discurso ou objeto retratado.

 

No diálogo com a distensão das linguagens, a paisagem também se movimenta, ampliando e construindo uma relação com o outro diante do contexto ficcional. Na imagem, a presença (ou ausência) da figura humana força-nos ainda a um ponto de vista, a um modo de inserir-se no espaço. Nestes trabalhos em específico, o gênero paisagem assume este deslocamento do olhar pelo viés da contemplação, onde o vazio e silêncio incita-nos ao (re)posicionamento na relação com o mundo.

 

Desvios | 2014

 

Instalação no LabMIS Residência em Fotografia

Pigmento mineral s/ papel algodão, vídeo e madeira

180 x 200 x 35cm

 

Installation in LabMIS Photography Residency

Mineral pigment on cotton paper, video and wood

180 x 200 x 35cm

 

“LUGARES. A paisagem nunca se realiza sem um olhar que delimite uma fração de mundo. É portanto um lugar que depende de um gesto. Essa paisagem se compõe a partir de um contralugar que chamamos de ponto de vista, a partir de onde o espaço é organizado, colocado em perspectiva. É insuficiente pensar que o olhar ocupa esse ponto de modo estático, tanto quanto é um engano supor que a imagem fotográfica se realiza num instante. É preciso ajustar o vocabulário: o espaço é um território físico. Ele se torna um lugar quando um sentido se projeta sobre ele, quando se torna um território simbólico. Uma vez recortado, o espaço permanece lá. O sentido não. Porque o lugar a partir de onde a imagem é pensada é sempre um processo que está aquém e além daquele instante da tomada. Então, o ponto de vista se desdobra em trajeto. Como um ponto cardeal, uma referência que nunca se situa no lugar em que se está, é sempre uma direção a seguir. O lugar é esse espaço perturbado pela instabilidade do gesto que lhe atribui um sentido. ”

 

Extrato do texto do catálogo da exposição Sobre lugares e gestos | Maio da Fotografia do MIS 2014.